Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Serviço Geológico do Brasil lançam estudos que identificam potencialidades minerais no RS

Publicação:

20180508154455 img 8566
Evento realizado pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM) ocorreu no Auditório do SENGE na terça-feira, 08. - Foto: Morgana de Mattos/SENGE

O diretor de Inovação e Fontes Alternativas da Secretaria de Minas e Energia, Carlos Augusto Almeida, participou do evento de lançamento das potencialidades minerais presentes no Rio Grande do Sul. O encontro realizado pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM), ocorreu no Auditório do Sindicato dos Engenheiros do RS (Senge), na terça-feira, 08.

Além de finalizar estudos que identificam potencialidades minerais, em uma área de mais de 212,5 mil km² do estado, a CPRM lançou as Notas Explicativas das folhas Lagoa da Meia Lua, Aceguá, Curral de Pedras, Hulha Negra, Passo São Diogo e do Informe de Recursos Minerais Metalogenia das Províncias Minerais do Brasil: Porção Sul da Bacia do Paraná.

Compondo a mesa de abertura do evento, Almeida ressaltou a importância do tema, que está diretamente ligado ao Plano Estadual de Mineração. O trabalho encontra-se em fase final de levantamento de informações. "A ideia dessa ação é trazer o investidor, mostrar a capacidade que o Rio Grande do Sul tem dentro das quase cem substâncias minerais disponíveis", destaca. Além de indicar os recursos que se encontram no Estado, o Plano vai apontar os locais em que a mineração é possível e a documentação necessária para realizar essa prática.

Os mapas elaborados no estudo, indicam que na porção centro-sul do estado, região que tem como atividade econômica principal o setor agropecuário, a indústria extrativa mineral pode ir além da produção de carvão em Candiota e Hulha Negra. O mapeamento indica potencial para insumos energéticos, com destaque para o carvão, mas também potencial mineral para calcário, importante insumo para agricultura e construção. Foram encontradas ainda diversas ocorrências de ouro, metais básicos como cobre, e também áreas anômalas para cassiterita, columbita, cromita e scheelita. O levantamento ocorreu numa área 12,5 mil km² nos municípios de Aceguá, Bagé, Candiota, Dom Pedrito, Herval, Hulha Negra, Jaguarão, Lavras do Sul, Pedras Altas, Pinheiro Machado, Santa Margarida do Sul, São Gabriel e Vila Nova do Sul.

No evento, a CPRM apresentou ainda o estudo realizado na Porção Sul da Bacia do Paraná, abrangendo uma área de cerca de 203.500 km² no norte do Estado do Rio Grande do Sul, que identifica a possibilidade da ocorrência de depósitos minerais de Níquel e Cobre. A investigação aprofunda o conhecimento sobre uma das maiores províncias ígneas do planeta: a Grande Província Ígnea Serra Geral (Large Igneous Province - LIP Serra Geral), que constitui uma parte do RS e é formada por um vasto pacote de derrames vulcânicos basálticos e intrusões máfico-ultramáficas, reconhecidas por apresentarem características semelhantes aos encontrados em outras regiões, como Noril’sk (Rússia), principal depósito mundial de níquel.

Também participaram da mesa de abertura o diretor de Geologia e Recursos Minerais da CPRM José Leonardo Andriotti, superintendente substituto da Agência Nacional de Mineração, antigo DNPM, Roberto Ferrari Borba, a superintendente regional interina da CPRM em Porto Alegre, Ana Claudia Viero, o diretor do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, André Sampaio Mexias e a diretora de Apoio e Qualificação Profissional adjunto do Sindicato de Engenheiros do RS, Nanci Benini.

SOBRE O PLANO

O Plano Estadual de Mineração foi criado a partir do Comitê de Planejamento de Mineração do Estado do Rio Grande do Sul - COMERGS, em 2015. O Plano tem como principais objetivos conhecer e informar o potencial mineral do Estado, fortalecer e desenvolver as diretrizes políticas do cenário mineral e incentivar as atividades minerárias propiciando um desenvolvimento regional sustentável. Além disso o planejamento tem importância no sentido reconhecer as riquezas minerais e agregar valor à elas, facilitar o acesso à informação e aumentar a participação do Rio Grande do Sul no setor mineral nacional. Atualmente o Plano está em fase de estudo e elaboração.

Secretaria de Minas e Energia